learnex

Laysa Boeing

LAYSA BOEING

 

Laysa Boeing estreia sua jornada na literatura aos 16 anos, com o livro Aqui jaz uma personagem. Já é blogueira há algum tempo, mas, por ser antiquada, tratou logo de querer tudo no papel. Também é antagônica, teimosa... e guarda diversas cores dentro de si, talvez sejam as lembranças, enfim! Nasceu numa cidadezinha, inha, inha, do extremo norte de SC, que, como o Brasil, tem nome de árvore: Garuva. Lá, quase ninguém a ouve, e não é por ser quase criança, não: os adultos, que foram crianças há bons anos, eles também não ouvem. Por isso é que ela escreve!

 

 

Contatos:

Skook de Algarobas Urbanas


Conheça trechos do livro Aqui jaz uma personagem, de Laysa Boeing:

 

"E é com este sentimento que inicio.
Entre. Sente-se. Aceita uma xícara de chá? É de camomila. A mim, camomila tem gosto de saudade. Eu sei que grande e pequeno são conceitos relativos, mas essa saudade é relativamente grande. Cabe numa caixinha de alfinetes, claro. Mas não cabe no peito.
Talvez o coração seja pequeno demais.
Ou só esteja cheio demais.
Cheio de amor. Mas sabe que o ponto de ebulição do amor é bem menor que o da saudade? Atuo com metáforas, todavia é inevitável a comparação. Você logo sente arrepios de amor, já a saudade é sorrateira, vem de mansinho e eu não sei qual é o pior.
Nego-me a contar.
Pois conte!
Não contarei.
Pois conte!
Repudio-te.
Ah, era isso...
Não...
É que quando se espera um “feliz para sempre” que nunca chega. Dói.

 

[...]


Desencadeio a ideia de que preciso pensar mais. Mas entrar nos pensamentos. Diferente de pensar. Afundar. Nadar. Interiorizar. Diferente de dormir.
Pois durmo. E certa hora há uma luz que ofusca a vista. É verde. Não sei bem se estou sonhando, mas é verde. Pisca ora lá e ora cá. Pois, claro, é um vaga-lume. De certo que não lembrava, nunca, jamais, em hora nenhuma que houvesse tido uma visita tão inesperada e... Eu gostei. Eu amei. Eu queria ter pedido para ele ficar mais ali, queria saber conversar com vaga-lumes. Todavia o deixei o tanto que ele achasse necessário. Piscou dez vezes. Senti que a última piscada foi como um “tchau” e voltei a dormir. Ele voltou a piscar por aí.

 

[...]


Olhando daqui, e para o alto, entendo que há algum tempo Santos Dumont quisesse ter asas. Não acredito, entretanto, que tenha sido para olhar a Terra de cima. Sua ânsia devia estar impregnada à vontade de sentir-se realmente livre; de querer que o vento batesse em suas faces, gelado, fazendo-o remar – se assim posso dizer – contra a direção de seu sopro.
Voltando do hospital, de ímpeto, pensei: não posso mais criar pessoas! Elas somem, me deixam saudades... Lembrei-me de Lúcio. Que horror. Que pessoa má que eu tinha colocado no mundo.
Personifique o mundo.
Não quero mais escrever. Cansei.
Que seja sua última criação: personifique o mundo!


[...]

 


 

Livro: Aqui jaz uma personagem

Autor: Laysa Boeing

Gênero: Romance

ISBN: 978-85-64308-55-8

Número de Páginas: 100

Formato: 12x18

Preço: R$ 28,00 + Frete