learnex

Victor H. Turezo

VICTOR H. TUREZO

 

victor hugo turezo nasceu em curitiba, em 1993. minha massa encefálica despenca como se de um desfiladeiro é seu primeiro livro.

 

Contatos:

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Conheça 3 poemas do livro minha massa encefálica despenca como se de um desfiladeiro, de Victor H. Turezo:

 

meu corpo é uma cordilheira cretina
duas placas tectônicas que regressam do encontro
um avião voando a oitenta mil pés sem o teto
a estrutura de um prédio em decomposição
um pedaço enorme de terra urrando por reforma agrária crise
hídrica nas zonas industriais do peito
um pássaro com duas pedras cravadas na asa direita
cinco mendigos pedindo esmola na pedro ivo
chacina numa tarde de verão na monsenhor celso
hecatombe de sóis envelhecidos
cardume que se perde dentro duma cachalote
um funeral de artistas de rua
irène jacob fumando um cigarro em a dupla vida de véronique
deleuze sentado discutindo com foucault numa sauna
a possibilidade do suicídio na lituânia
três tristes tigres devorando guillermo cabrera infante
a disposição histórica em destruir amores silenciosos
uma fronteira de dez mil quilômetros entre a minha
incapacidade de compreender silogismos e a sua maneira
de interpretar o existencialismo em kierkegaard.

 

***

 

tem uma vela ardendo
dentro da minha garganta
e eu não consigo mais
enxergar uma criança
correndo sem imaginar que ela esteja
perto da ponta de um desfiladeiro
e eu não consigo mais ouvir
o ganido de um cachorro
sem imaginar que ele esteja morrendo
eu só consigo sentir
o lirismo me atropelando
como um navio atropela
uma nuvem escura no horizonte
tem uma vela ardendo dentro
da minha garganta
e faz silêncio aqui.

 

***

 

é como anne sexton, alejandra pizarnik e sylvia plath
um dia ensolarado e a morte se alinhando
o torpor constante de um edifício incendiado
a poesia confessional sustentada em barbitúricos
em colapsos dentro de universidades
em trincheiras caóticas construídas em cada cômodo
em tardes de correções à tinta
em forte cheiro de monóxido de carbono
em lençóis que escapam do pescoço
em persuadir o próprio isolamento.
é como uma catástrofe metafísica
é como assistir a decomposição de um leão-marinho
é como escolher morrer apenas com noventa anos.

 

***

 

um tigre doente mastiga um pouco meu rim
cospe sangue
um sol desesperado
meu pai com miopia e três facas
enterradas no peito
minha mãe com fibrose cística
e sem uma parte da orelha
curitiba e todos os seus
petit pavês encardidos de mijo
a condição ininterrupta de nuvens sobrepostas
o que fazer com as coisas
que descem pela garganta
e arrebentam no estômago?
dentro de cada segundo
o mapa-múndi da minha incompletude
se regenera e aumenta
minha respiração quebra
e dela brotam pregos
e um megalomaníaco para cada instante.
um brinde à tua capacidade
de enxergar rinocerontes.

 

***

 

ao lado de cães desesperados
sem saber a direção que irão tomar
operários decifram tijolos
mulheres queimam panos vermelhos em estrelas.
quadros cíclicos em montanhas de dois cumes.
o homem junta sóis em pedras.
uma morte de cada vez, por favor.
uma morte de cada vez.
é uma oração ordinária e tênue
o demônio na jaula descansa com a luz acesa
as cápsulas já estão incrustadas –
um grânulo branco que alimenta o cérebro.
150 mg e você não consegue mais colocar os pés no parapeito da janela
e escrever uma linha é amputar o pacífico.

 

 

 


 

 

Livro: minha massa encefálica despenca como se de um desfiladeiro

Autor:
Victor H. Turezo

Gênero:
Poesia

Número de Páginas:
70

Formato:
16x23

Preço:
R$ 38,00 + frete