learnex

Cesar Veneziani

CESAR VENEZIANI

 

Autor dos livros Versos avulsos e outras valsas (Patuá, 2015) e Neblina (Patuá, 2012), Cesar Veneziani é geógrafo formado pela USP, com especialização em Antropologia e operador de reator nuclear. Como poeta também publicou o livro Asas (Utopia Editora, 2009) e participou das coletâneas Segunda Coletânea do Bar do Escritor (2010 – Utopia Editora / Editora Khelps), SonetárioBarnasiano (2011 – Utopia Editora) e Terceira Coletânea do Bar do Escritor (2012 – Netbook Editora). Foi classificado e publicado em 2010 e 2011 no concurso nacional TOC#140 da FLIPORTO, Porto de Galinhas/PE. Foi também classificado e publicado no concurso nacional de sonetos Chave de Ouro da Academia Jacarehyense de Letras.

 

 

Contato:

Skook do livro Incensário

 

 


Conheça 03 poemas do livro Versos avulsos e outras valsas, de Cesar Veneziani:


TRADUÇÃO


se le mot

é o mote

verto suor

a lot

verto a valsa

em xote

y el campesino

comme un bambino

gosta e dança

a diferença

está no papel


na alma

não há uma

babel

 

***

 

DANÇA



Num baile a tudo e a todos fico atento.
Nada me escapa: gesto, passo ou som.
Tudo pros outros é suave e bom,
mas cá pra mim é trava, é sofrimento.

Se um par me passa em graça, em vez de alento
me vem a dor de agir conforme o tom
e imóvel pedra provo não ter dom:
dançar pra mim é trava, é sofrimento.

É belo o harmonizar do som que encanta
atar em sincronia o movimento.
De ver a alegria é enorme, é tanta!

Mas se deixo levar por um momento
e num arroubo louco eu tento a dança
renovo a prova: é trava, é sofrimento!


***


PÁSSARO



não se vá
pássaro esquivo
que teu canto
ecoa em meus ocos
é alento que
agita a lenta vida

não se vá
pássaro altivo
que tua música instintiva
aviva a alma
morna em repouso

não te deixo alimento
pra não te escravizar
não te deixo gaiola
pra não te prender

teu canto livre
teu voo livre
me torna livre
ainda que o corpo estático
em pedra se prostre

volte
pássaro amigo
pouse em meu galho/costela
e cante dentro de mim

 


 

 

Conheça 04 poemas do Livro Neblina, de Cesar Veneziani:

 

Sem medida


O quanto isto dista
daquilo lá?
A distância da ânsia
do esperar.

O longe é perto quando é certo
o destino.
Mas perto demora na hora
do desatino.

Não é a escala que fala
a dimensão,
nem o metro dá ao certo
a medida.

É o que se sente de repente
na paixão,
e que se mede na lágrima
vertida...

 

***

 

Agoras


que agoras são estes
que as horas devoram

o hoje foge pra longe

tem muitos ontens
na minha memória

 

***

 

Coito verbal


a língua lambe o verbo
arrepia o som
e o símbolo assume o signo
que se grafa no papel

quem ouve ou escreve
quem fala ou lê
logo sente o frêmito
da mensagem em penetração
do gozo do entendimento

 

***

 

Beco


Conto, num beco, num canto,
a um gato atento e tácito,
com um cinismo mordaz e ácido,
o fracasso de um desencanto.

E o gato, fingindo atenção,
me ouve em silêncio, calado.
Não fala sequer um miado,
Não quer me passar um sermão!

E eu, todo fraco, falido,
não ligo: um desabafo desato.
Me xingo, eu me desacato,
num discurso sem sentido.

E o dia, indiferente,
pare a luz e a noite mata.
E a solidão, insensata,
é um gato à minha frente.

 

 


 

 

Livro: Versos avulsos e outras valsas

Autor: Cesar Veneziani

Gênero: Poesia

Número de Páginas: 120

Formato:
14x21

Preço: R$ 35,00 + Frete

 

 

 

 


 

Livro: Neblina

Autor: Cesar Veneziani

Gênero: Poesia

ISBN: 978-85-64308-22-0

Número de Páginas: 140

Formato:
14x21

Preço: R$ 30,00 + Frete